quarta-feira, outubro 24, 2007

Apelo a (futuras) mamãs

A minha prima Ana propõe-se ilustrar uma agenda da gravidez. Para isso pede o contributo de todas as que já passaram ou estão a passar por esse estado de graça, dizendo que sintomas / diferenças notaram em que fase / semana da gravidez (ex. quando sentiram enjôos, etc.). Podem enviar essas dicas para anaescultura@gmail.com.

segunda-feira, outubro 22, 2007

Dispensa da Ministra

A Srª Ministra da Educação dispensou das suas funções a professora de Ovar que sofre de cancro na língua. Ela veio para a comunicação social com a sua história de não aprovação do pedido de reforma pela Caixa Geral de Aposentações. Teve um final que me parece relativamente feliz, ainda que o seu pedido continue por aprovar. Fico a pensar qual será a sorte de todos os outros, professores e não professores, que, não querendo expôr-se, não divulgam as suas maleitas e incapacidades, têm a nega da CGA e continuam ao serviço com extrema dificuldade.

sábado, outubro 20, 2007

Gastroenterite

Pois é, confirma-se a infecção, uma gastroenterite. Fomos à consulta e de lá viemos com rasgados elogios da pediatra ao desenvolvimento da Rebeca e uma receita na mão. A uma semana de fazer 3 meses já tem 62,8 cm e 5,840 kg. Por isso já começa a vestir algumas roupas para seis meses... Continua matulona e vivaça, a nossa Rebeca!
Interessante foi chegar à conclusão que cada médico tem mesmo a sua escola. Na mesma instituição, o pediatra que viu a Rebeca aos 15 dias recomendou vitamina D e deitá-la de barriga para cima. A pediatra que a viu ontem mandou parar já com a vitamina (sob pena de as fontanelas fecharem completamente e não haver forma de o crânio alargar para o crescimento do cérebro) e prefere que a deitemos de lado, apesar de não se opôr a que seja de barriga para cima para evitar o síndroma de morte súbita.

sexta-feira, outubro 19, 2007

Truque

Isto da maternidade leva-nos a fazer coisas antes impensáveis como vigiar atentamente as fraldas do bebé. Pois é, parece que a Rebeca está com uma inflamação intestinal. Segundo a pediatra com quem falei poderá ser causada por um vírus que ela terá apanhado, mas não se exclui a hipótese de ser reacção a medicação que eu estava a fazer. Sintomas: fezes mais abundantes, com muco e sangue oculto.
Como é que eu sei que há sangue oculto? Ensinaram-me o truque no hospital, quando a Rebeca esteve internada a fazer fototerapia: deitar água oxigenada na fralda. Se reagir (faz espuma, como quando se deita a dita água numa ferida), há sangue.
E agora é verificar todas as fraldas e vigiá-la nos próximos dias. Como está bem disposta, não tem febre e come bem, não é preocupante e é ver a evolução das coisas. Mas uma mãe (e um pai) fica sempre preocupada...
Já agora, alguém tem uma experiência semelhante?

Sobre slings

Encontrei um site com informações úteis sobre slings (em inglês) e muito completo. É que, quando não se tem experiência, pode ser difícil posicionar o bebé correctamente...
Para videos sobre como colocar o bebé nas diferentes posições, clicar aqui e depois nas respectivas fotografias.
Para um documento sobre o posicionamento correcto, clicar aqui.
Para esclarecimentos e fotografias sobre o tamanho adequado e como ele deve ficar, clicar aqui.
Para esclarecimentos e fotografias sobre como amamentar com o bebé no sling, clicar aqui.
Para fotografias de gémeos no(s) sling(s), clicar aqui.
E para mais umas quantas dicas, também de acordo com a idade do bebé, clicar aqui.
Espero que tenha sido útil. :)

quarta-feira, outubro 17, 2007

Há 30 anos

Há 30 anos atrás tornava-me irmã.
Lembro-me de, meses antes, a minha mãe me dar a notícia que ia ter um mano ou uma mana, de dizer a toda a gente durante toda a gravidez que queria um mano e uma mana, de ver, a duas semanas do nascimento, duplicar o enxoval porque só nessa altura se tinha descoberto que afinal eram dois (ninguém me deu ouvidos...).
Lembro-me de ser acordada a meio da noite porque estava na hora de ir para a clínica, de irmos buscar a tia C., de chegarmos à clínica com a rua em obras e a minha mãe atravessar rapidamente do carro para a porta por cima de umas tábuas de madeira, de aguardar na sala de espera pelo nascimento dos meus irmãos, de dormir, de receber a notícia do nascimento deles através de uma senhora de bata às risquinhas azul bebé e brancas, de pensar qualquer coisa como "Grande surpresa! Eu não disse a gravidez toda que era um mano e uma mana?!?", de chegar ao carro com o meu pai e encontrarmo-lo assaltado, da imagem dos fios soltos depois do rádio arrancado na consola de madeira feita pelo meu pai . (Não tinha chovido nessa noite?)
Esse dia foi especial. Deus deu-me os irmãos que eu desejava e não poderia pedir outros. Estava a um mês de fazer 5 anos, mas lembro-me, não como se fosse ontem, mas como se tivesse sido há uns anitos, poucos. Passaram 30 anos de brincadeiras, alegrias, alguns desentimentos infantis, mas essencialmente amizade, amor e união, apesar de nem sempre estarmos juntos ou próximos. Parabéns, mano e mana, tia R. e pais!!!

terça-feira, outubro 02, 2007

Dois meses de Rebeca


A Rebeca fez dois meses e que cheios têm sido os dias! Antes de ela nascer eu imaginava que teria tempo para fazer muitas coisas enquanto ela dormisse. Enganei-me. Ela dorme bem à noite e de manhã, mas à tarde e ao serão pouco ou nada dorme, o que me deixa pouquíssimo tempo para as tarefas que não têm exclusivamente a ver com ela. Mas ainda assim, é uma alegria ser brindada com um dos seus sorrisos rasgados e entrar em conversas com ela. Sim, é que ela é mesmo tagarela. Felizmente ainda tenho vários meses de ocupação total com ela.

Ela tem-se desenvolvido bem, não tem cólicas (estou convencida que devido à banheira Shantala, já que em tudo o resto é igual a todos os outros bebés), é muito bem disposta e só chateia quando desata a berrar por estar com fome ou por se sentir presa na cadeira do automóvel. Gosta de colinho e de andar no sling (outra grande compra; já estou à espera da próxima encomenda, também para o papá). Até a luta da amamentação foi ganha. O que começou por ser conturbado graças ao stress da primeira semana, com ela sem recuperar o peso de nascimento às duas semanas de vida e a termos que recorrer ao suplemento por indicação do pediatra, agora decorre normalmente, sendo o suplemento um recurso a dispensar em grande parte dos dias, ou a utilizar só à noite. Só a chucha é que ainda não a conquistou, mas para lá caminha (penso...). Até aqui nos abençoou o Senhor!